Candidíase e Cuidados Naturais

Eu acredito que todo sintoma e desconforto que você enfrenta no corpo físico é sempre um convite para olhar para dentro e mais a fundo de si. Ainda que você esteja sujeita a heranças genéticas e influência fenotípica, oriundas do meio e não do seu DNA, eu encaro essas manifestações como uma maneira do corpo pedir por mais cuidado e atenção.

A candidíase é uma infecção vaginal constante na vida de muitas mulheres e por isso, achei pertinente falar sobre o assunto aqui, porque ela também fez parte de um longo período da minha vida, até que eu consegui rastrear a origem da sua manifestação e tratá-la. Já adianto: não foi com pomadas e nem antibióticos.

Para investigar as causas e determinar os cuidados dessa vaginite tão comum, é importante conhecer as suas características básicas e o modo como ela se propaga no nosso organismo.

Candida albicans é o nome científico da espécie do fungo que é geralmente chamado de Candida. Ela é natural de ambientes escuros, fechados e úmidos e no nosso organismo ela se aloja no reto e na vagina, fazendo parte de uma flora vaginal normal. 

Ela se desenvolve em um ambiente levemente ácido e o pH na vagina é normalmente mais do que levemente ácido. Ou seja, basta um desequilíbrio na acidez ou na flora bacteriana vaginal e ela pode se alastrar e apresentar seus sintomas desagradáveis.

É impossível viver despercebida dos seus efeitos, pois ela causa uma grande irritação na mucosa vaginal e na vulva, além de coceira, pinicação, ardência, incômodo ao urinar, dor na relação sexual. Em alguns casos mais intensos, ela também produz um corrimento branco, espesso e granulado, com aparência semelhante a queijo cottage, podendo ter ou não odor.

O curioso de se observar é que costumeiramente, quem sofre com essa infecção fúngica está sempre lutando contra ela, e com o tempo ela volta a aparecer e a apresentar os mesmos sintomas e pedido de socorro.

Isso acontece porque ela está intimamente ligada às nossas emoções, e estas, por sua vez, estão intimamente relacionadas ao nosso equilíbrio hormonal e imunológico. Então se algo não vai bem no campo sutil de uma mulher, isso fatalmente se reflete na sua produção hormonal e no seu quadro de imunidade, afetando o pH da vagina e estimulando o desenvolvimento da candida.

A sua propagação também pode estar relacionada à fase do ciclo menstrual (existe uma alteração do pH em cada fase do ciclo), ao uso de pílulas anticoncepcionais e antibióticos, gravidez e diabetes. Tudo isso naturalmente deixa o pH da vagina mais alcalino. Bem como, stress, cansaço, angústia, preocupações, inseguranças, pressões, excessos, alimentação não balanceada, fumo, e outros desequilíbrios físicos e emocionais.

Outra causa que é pouco investigada são hábitos nas relações sexuais:

“Um estudo sobre o risco de infecções recorrentes por fungos, constatou que comportamentos sexuais, muito mais do que a própria presença do fungo candida no parceiro masculino, estavam associados à recorrências. Mulheres que não tiveram infecções por candida na área vulvovaginal durante o ano anterior, poderiam se masturbar com saliva sem aumentar o risco de infecção por candida, enquanto mulheres com histórico recente de infecção na área vulvovaginal, aumentaram a probabilidade de infecção recorrente se elas se masturbassem usando a saliva.”
Fonte: https://www.ourbodiesourselves.org/book-excerpts/health-article/yeast-infections/



DIY – Autogestão e cuidados naturais para sua saúde

Se você deseja fazer uma autogestão da sua saúde, existe uma série de indicações já comprovadas para tratar a candida. Litsamos aqui algumas delas para você começar a tratar esses sintomas de forma mais simples e descomplicada no seu dia a dia.

  1. A começar pela alimentação, você deve cortar farinha branca, açúcar, laticínios e todos os alimentos de origem alcalina;
  2. Você pode também acidificar seu organismo, ingerindo suco de cranberry sem açúcar todos os dias ou tomar suplementos concentrado de cranberry;
  3. Uma prática natural difundida para combater a candida é a inserção de iogurte natural, com lactobacilos vivos e sem açúcar no canal vaginal. Aplicar o iogurte com ajuda de uma colher ou seringa sem agulha, antes de dormir. Usar um absorvente de pano para não vazar durante a noite. Na manhã seguinte lavar apenas com água. Repetir o ritual até 7 noites seguidas.;
  4. Ou a introdução de um dente de alho (descascado, não cortado, envolvido em uma gaze para não causar irritações). Antes de dormir, inserir o mais profundo possível na vagina durante 5 noites seguidas. Retirar a cada manhã, e usar um novo alho para repetir o tratamento;
  5. Outro procedimento eficaz e barato para a candidíase é o sorbato de potássio, comumente usado como conservante na fabricação de cerveja artesanal. Basta mergulhar um tampão de algodão em uma solução a três por cento (15 gramas de sorbato de potássio seco em um litro de água), e depois inserir na vagina à noite e remover de manhã. Repetir por pelo menos 5 noites;
  6. Óvulos vaginais de calêndula e hamámélis: usar entre 5 e 7 noites seguidas;
  7. Pomada ou óleo de sálvia: aplique com o dedo dentro da vagina por 5 ou 7 noites seguidas;
  8. Para o alívio da coceira: Lavar o local com água fervida + 2 colheres de vinagre de maça ou suco de limão (esfriada em temperatura ambiente). Evitar coçar o máximo possível;
  9. Lavar o local com alho triturado e colocado para macerar em água fria;
  10. Banhos de assentos com ervas específicas, como sálvia, calêndula, óleo de melaleuca e própolis. E ainda, chás, tinturas, homeopatia, cápsulas de alho são outros aliados naturais e super acessíveis que podem auxiliar no controle da proliferação do fungo Candida;
  11. Por fim, essa última dica tem muito a ver com a Gioconda: Usar calcinhas de fibras naturais, como o algodão, é também essencialmente saudável para a manutenção do ph da sua vagina. Recomendo também passar algumas horas do dia em casa, sem calcinha, se possível. Além de permitir a vagina respirar, essa é uma forma de manter a conexão com o seu feminino e a sua intimidade particular.

Para uma autonomia no cuidado da sua saúde integral é fundamental olhar com atenção para os aspectos emocionais, buscar o equilibro interior, ouvir seu corpo, e entender quais são as suas necessidades e suas demandas. Converse sempre com outras mulheres, suas amigas ou pessoas mais velhas que você confie. Muitas mulheres passam ou já passaram por esse incômodo. Além de compartilhar rituais, elas podem acolher o seu desconforto físico e também emocional.

 

Fonte: Website https://www.ourbodiesourselves.org/

Manual Introdutório à Ginecologia Natural de Pabla Pérez San Martin

1 Comments

  1. Avatar Gisele disse:

    Muito legal, este post. Sofro a 1 ano com a Candidíase, consegui melhorar depois que comecei um tratamento com homeopatia. Agora as crises são menores e espaçaram para a cada 2 meses. Gratidão pelas dicas. Bjs

Leave a Reply