Sobre nós

Eu sou a Cínthia. Sou artista, mãe, empreendedora, um espírito criador intuitivo, vigilante das emoções e apreciadora dos mistérios da vida e da morte. Acredito que quando nos reconectamos com nós mesmos, despertamos para nosso infinito potencial criativo. 


Defendo que o tempo é o bem mais precioso que temos na nossa experiência terrena, mas muitos de nós ainda estão dedicando esse bem à manutenção de um sistema que tem como projeto, manter as mulheres oprimidas e a margem do seu verdadeiro poder. 

Minha missão tem consistido cada vez mais em estimular e incentivar outras mulheres a despertarem o seu centro de poder, através da PAUSA – enquanto tempo e espaço – para uma profunda observação e introspecção, e assim comece a resgatar seus verdadeiros instintos e a colocar em prática, no seu cotidiano, os hábitos que nutrem sua alma e sua natureza livre e criadora.

 

Inicialmente esse trabalho foi feito através das peças de vestir da Gioconda, e agora começo a manifestar meu desejo em produzir conteúdo com o objetivo de tornar esse debate mais claro e potente.

Sou adepta da preguiça como ferramenta transgressora para provocar mudança e uma ruptura dentro da lógica mercadológica e do estilo de vida predominante.

 

A ideia de criar uma marca, foi desde o início uma fusão entre a necessidade de me emancipar financeiramente, quanto de elevar a essência feminina a outras dimensões. Não ser mais uma marca de roupas com finalidade apenas no produto, mas sim com propostas e provocações para debater questões sobre autocuidado, autoconhecimento, ócio criativo, prazeres cotidianos, saberes manuais, sabedoria ancestral e poder intuitivo. 

Creio que essas heranças essenciais a todos os seres estão sendo esquecidas e apagadas por uma racionalidade linear, que é contraditória à natureza cíclica feminina. Quando deixamos de exercer esses direitos por nascimento em nossos rituais diários, perdemos o elo com nossa verdadeira essência, com os outros seres e com a Natureza.

Quando retomamos o ritmo da nossa natureza cíclica, compreendemos que nossa experiência na Terra não deve ser baseada em uma prática linear e racional, mas fundamentada em uma energia circular, que permite que nos ressignificamos e nos transformamos constantemente, e esse é um processo natural de toda VIDA na Terra.

Se reconectar com sua verdade é crucial para evocar a constante revolução interior e universal. É através da devoção à nossa subjetividade que nos conectamos com a intuição, com a voz interior que vive em cada um, e com a fonte criadora e a sabedoria instintiva.